Partilhar

Naquela noite fria o jantar estava incrível. Deliciámo-nos com um cozido à portuguesa à moda de Castro Laboreiro bem regado com uma não inferior colheita de tinto.

As carnes e as hortaliças caseiras não arrefeciam no prato. Tudo sabia ao que realmente deveria saber. A cada garfada descobríamos as couves tratadas na pequena horta, as cenouras tenras crescidas em terras férteis, o cuidado tido na alimentação dos animais, os segredos no tempero e a paciência no fumeiro dos enchidos…a travessa ficou assim vazia em três tempos.

Para sobremesa, conversámos um pouco com o simpático cozinheiro. Depois dos triviais assuntos sobre o prato, os seus condimentos e a sua confecção, abordámos a região, as suas atracções turísticas e tradições.

– Já conhecem o Santuário de Nossa Senhora da Peneda? – perguntou.

Encolhemos os ombros.

Peneda era a sua terra natal. Falou-nos do Santuário, da sua beleza singular, das festas e romarias, enfim…do seu amor pela terra onde nasceu e que o viu crescer.

Não podíamos deixar de a visitar tal foi a forma entusiasta do seu relato.

Assim o fizemos.

Depois de uma noite bem dormida, embalados pela chuva que lá fora teimava em não ceder lugar à neve, cedo arrancámos para o Santuário de Nossa Senhora da Peneda, na freguesia de Gavieira, em Arcos de Valdevez.

Crê-se que neste local existiu uma pequena ermida construída para lembrar a aparição da Senhora da Peneda (ou Senhora das Neves), cujo culto foi crescendo e motivou a construção do santuário, nos finais do século XVIII (data mais provável para o inicio da sua construção).

Diz a lenda que a Senhora da Peneda terá aparecido a 5 de Agosto de 1220, a uma criança que pastoreava por entre aquelas penedias, algumas cabras.

A Senhora apareceu-lhe em forma de uma pomba branca voando ao seu redor. Pediu-lhe que dissesse aos habitantes do lugar da Gavieira para lhe edificarem naquele lugar uma ermida.

A pastorinha, ao chegar a casa, contou o sucedido aos seus pais, mas estes não lhe deram grande crédito.

Mais tarde, quando a pastorinha guardava as cabras no mesmo local, a Senhora voltou a aparecer, agora sob a forma da imagem que hoje existe, e disse que “já que te não querem dar crédito ao que eu mando, vai ao lugar de Roussas onde está uma mulher entrevada há dezoito anos e diz aos moradores do lugar que a tragam à minha presença, para que fique de perfeita saúde, e assim te darão crédito ao que eu te ordeno.”. O nome da mulher era Domingas Gregório.

Assim o fez.

Quando Domingas avistou aquela Sagrada Imagem da Rainha dos Anjos, logo ficou de perfeita saúde, livre e sã de todos os males que padecia.

Daí em diante, todos os anos, na primeira semana de Setembro, muitas centenas de peregrinos, vindos de toda a região e da vizinha Galiza, acorrem a este local de peregrinação.

O nosso percurso pedestre teve inicio no parque de estacionamento sobranceiro à Peneda. Seguimos em direcção ao Santuário.

Um enorme rochedo, o penedo das Meadinhas com a imponência dos seus 300 m de altura, serve de pano de fundo ao local, criando juntamente com o Santuário, todo um quadro envolvente de sagrado e reliogiosidade que dificilmente nos deixa indiferente.

Passámos por alguns pequenos comércios e cafés, onde os souvenirs lutavam pelo seu espaço de visibilidade nas montras e nas entradas dos estabelecimentos.

Descemos o escadório monumental com cerca de 300 m observando à passagem as 20 pequenas capelas que retratam episódios da vida de Jesus. Chegámos à Praça do Calvário com o seu pelourinho.

Regressámos para visitar a imponente igreja e a queda de água que a seu lado compunha a banda sonora perfeita.

A hora do almoço aproximava-se e partimos para Melgaço. A reportagem ficará para o próximo post.

 

Vídeo Álbum Mapa GPS
Santuário de Nossa Senhora da Peneda (Arcos de Valdevez) Santuário de Nossa Senhora da Peneda (Arcos de Valdevez) Ver Google Maps 

 

 
(Sign up for the newsletter to receive the next hiking trail by email)

Partilhar